Menu
13 milhões de acessos

Bancários da Bahia discutem papel dos bancos públicos

Empregados do Banco do Brasil, Caixa e Banco do Nordeste dos estados da Bahia e Sergipe se reuniram no ultimo sábado (04/04), em Salvador, para discutir o papel dos bancos públicos para a superação da crise econômica e o desenvolvimento social do país. O encontro aconteceu no auditório do Sindicato dos Bancários da Bahia, em Salvador,com a presença de representantes de todas as entidades sindicais dos dois estados. 

Composto de duas partes, o encontro começou com uma palestra do professor Fernando Pedrão com o tema: a crise do capitalismo e o papel estratégico dos bancos público para o desenvolvimento econômico e social do país. Durante mais de uma hora de intervenção, o professor traçou um panorama da situação política e social do mundo, concluindo que a atual crise é resultado de um processo histórico de hegemonia econômica de alguns países e do surgimento de novas potências mundiais como China, Índia e Brasil.

Pedrão reafirmou também a importância das instituições financeiras oficiais brasileiras no enfrentamento à crise. "O papel dos bancos públicos têm que ser de fomentar o crédito para ajudar no desenvolvimento", disse.

Para o professor, os trabalhadores também têm papel essencial no atual contexto. "Os sindicatos precisam pensar os problemas do Brasil e não apenas de sua categoria. Assim os trabalhadores poderão enfrentar a crise de forma unitária. De outro jeito, não haverá saída para a classe trabalhadora", concluiu.

A palestra contou também com intervenções do presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, Emanoel Souza, e de Everaldo Augusto, membro da direção nacional da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

O evento seguiu na parte da tarde, com os encontros dos funcionários do BB, Caixa e BNB, que foram realizados no Espaço Cultural Raul Seixas, no auditório do Sindicato da Bahia e na Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, respectivamente. Além das discussões específicas do funcionalismo de cada instituição, foram eleitos ainda os delegados para os encontros nacionais de cada banco.


Pauta para o Conecef -
Os empregados da Caixa debateram uma pauta de reivindicações a ser levada para o 25º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa (Conecef), programado para o período de 23 a 25 de abril, em Brasília. Os principais eixos defendidos pelos participantes foram: o papel da Caixa como verdadeiro banco público, aposentadoria digna, defesa dos funcionários, saúde e condições de trabalho.

Segundo o presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe e empregado da Caixa, Emanoel Souza, "os baianos vão defender no Conecef a necessidade de mudar os critérios de avaliação de agência (Avgestão) e tirar das costas dos funcionários a indigesta pressão para vender produtos da Caixa Seguros".

No encontro foram eleitos também os 15 delegados da Bahia para o Conecef, sendo quatro representantes dos aposentados. A delegação contemplou todos os sindicatos presentes no evento.


Encontro do BB -
Na pauta dos funcionários do Banco do Brasil constou a discussão sobre assédio moral, adoecimento, Previdência e plano de saúde, terceirização, Cassi, Previ, licença maternidade de 180 dias, entre outros temas relacionados ao dia a dia dos bancários da instituição.

Após um longo debate, os empregados elegeram como pontos prioritários para discussões no encontro nacional, as questões da segurança bancária, isonomia, condições de trabalho e remunerações.  Os presentes elegeram ainda os 18 delegados para o encontro nacional dos empregados do BB, que acontece entre os dias 24 e 26 de abril, em Brasília. Foram escolhidos representantes de todos os sindicatos presentes, levando em conta ainda critérios como período de ingresso no banco, antes ou pós 1998, e atuação, dirigente sindical e bancário da base.


Assembléias no BNB -
Reunidos na Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, os empregados do BNB optaram por uma discussão mais informal sobre condições de trabalho, principalmente nas agências do interior do estado. A reunião contou com a participação da gerente de Recurso Humanos no BNB na Bahia, Marilda Galindo, que se comprometeu a levar todas as reivindicações dos funcionários para a Superintendência regional do banco.

Os participantes decidiram também que os delegados para o Congresso Nacional dos funcionários do BNB devem ser eleitos em assembléias realizadas por cada sindicato em sua base. "A orientação é para que seja escolhido o maior número de delegados possíveis, levando em conta o critério de um representante para cada 50 funcionários da base", afirmou Antonio Galindo, diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia e empregado do BNB.

Como o Encontro Nacional acontece nos dias 24 e 25 de abril, em Maceió (AL), as assembléias devem acontecer antes do dia 17, prazo final para inscrição de delegados no evento.

SEEB-BA




Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar