Menu
Campanha Outubro Rosa 2018

Centrais sindicais declaram apoio à candidatura de Fernando Haddad

Com a defesa da democracia, do emprego e do desenvolvimento nacional, ocorreu na tarde de quarta-feira (10/11), em São Paulo, o encontro de lideranças do movimento sindical com o candidato à presidência da República, Fernando Haddad, e a vice Manuela D'Ávila.

apoio centrais hadad 2d2ce

Os dirigentes das sete principais centrais do país (CTB-CUT-Força Sindical-Nova Central-CSB-Intersindical-UGT) entregaram a Haddad um manifesto de apoio assinado por todos os presidentes das entidades e a agenda prioritária unitária lançada em maio, que reúne as principais propostas da classe trabalhadora para o país.

Durante a reunião, o presidente da CTB, Adilson Araújo, defendeu a revogação da Emenda Constitucional 95 e da reforma trabalhista, e destacou a importância de um projeto que dialogue com as necessidades da classe trabalhadora brasileira.

"Temos de mostrar para o nosso povo que tudo que o golpe subtraiu em dois anos, nós teremos quatro anos para recuperar. É com essa candidatura, com esse projeto, que encontramos o compromisso de revogar a EC 95 e a reforma trabalhista. É neste projeto que nós vamos dialogar com a sociedade que a reforma da Previdência não é prioritária. Temos de discutir uma reforma tributária progressiva e solidária. Diminuir a carga sobre o ombro de quem mais contribui. Este projeto dialoga com o povo", afirmou.

A candidata à vice-presidenta, Manuela D'Ávila, reafirmou o compromisso com o desenvolvimento e a valorização do trabalho. "É impensável um país desenvolvido sem direitos sociais e trabalhistas assegurados pela CLT e pela Constituição de 1988. Nossa defesa da revogação da EC 95 não é retórica. Não é possível ter um país desenvolvido sem investimento em mais creches, por exemplo, em mais investimentos no sistema público de saúde".

Fernando Haddad começou sua intervenção afirmando que a negociação permanente é essencial para conquistar avanços para o país. "Eu me reuni com as centrais sindicais como ministro da Educação e como prefeito de São Paulo. Firmamos dezenas de acordos e tivemos a oportunidade de fazer o país avançar", afirmou. "Nossa visão de mundo é tornar o povo parte da solução e não parte do problema. Nossa solução não é uma arma na mão, mas uma carteira de trabalho em uma mão e um livro na outra", disse Haddad.

Ele alertou que os direitos sociais e trabalhistas não são os únicos em risco no país. "Os direitos civis e políticos também estão cada vez mais ameaçados", afirmou, fazendo referência à morte do capoeirista baiano e à agressão à menina gaúcha que teve uma suástica inscrita com canivete na região abdominal de seu corpo por usar uma camiseta do movimento "Ele não".

Portal CTB

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar