Menu
Campanha Outubro Rosa 2018

Cresce luta pela isonomia na Caixa

Na busca pela igualdade de direitos, benefícios e salários, os empregados da Caixa lançam, quarta-feira (27), a Campanha Nacional pela Isonomia com o tema 2010 é o ano da isonomia. Na Bahia, os diretores do Sindicato preparam mobilizações em Salvador e interior do estado. A intenção é ampliar a luta para resgatar conquistas usurpadas durante a gestão desastrosa do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Os empregados da Caixa travam uma verdadeira batalha para garantir equiparação de direitos dos admitidos após 1998. De acordo com o diretor do Sindicato da Bahia e membro do movimento nacional pela isonomia, Augusto Vasconcelos, a isonomia é muito mais do que uma bandeira. “É a luta do movimento sindical por igualdade para todos os funcionários”.


As mobilizações dos trabalhadores trouxeram resultados, como a alteração do plano de benefícios da Funcef, a extensão do APIPs para todos e a unificação do PCS (Plano de Cargos e Salário). No entanto, é preciso garantir outras conquistas.


A participação e união da categoria são fundamentais para que o movimento seja vitorioso. “Sem mobilização pouco pode ser feito pela igualdade de direitos”, afirma o  presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, Emanoel Souza.


HISTÓRICO

A distinção entre funcionários pré e pós 1998 nos bancos públicos teve início durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Rezando a cartilha dos banqueiros, FHC iniciou o mais vergonhoso projeto de entrega das empresas estatais ao capital estrangeiro e financeiro. Os lucros foram mantidos e até ampliados, enquanto os novos trabalhadores dos bancos públicos tiveram vários direitos perdidos com o processo de desmonte da estrutura do sistema financeiro público.


Desde então, a desigualdade de benefícios entre os bancários foi agravada. Atento aos interesses dos trabalhadores, o movimento sindical iniciou uma intensa luta pela igualdade de direitos.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar