Menu
Feebbase

BNB registra lucro líquido de R$ 298 milhões

O lucro líquido do Banco do Nordeste (BNB) totalizou de R$ 298 milhões no primeiro semestre deste ano. Esse valor foi 32,1% superior ao do mesmo período de 2016. Na melhoria do desempenho o crescimento de R$ 86,9 milhões nas receitas de prestação de serviços. O Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) apresentou um Patrimônio Líquido de R$ 71,1 bilhões em junho de 2017. Os dados são do Relatório de Administração (balanço) do primeiro semestre de 2017, publicado hoje nos principais jornais do País.

O presidente do BNB, Marcos Holanda, avalia que o banco responde de forma robusta aos desafios de um cenário econômico ainda adverso. Ele destaca que nesse período a instituição contratou 2,4 milhões de operações, injetando R$ 11,2 bilhões na economia do Nordeste, representando um avanço de 3,6% em relação a igual período do ano passado.

Ressalta ainda que o montante emprestado atendeu, prioritariamente, investimentos rurais industriais, agroindustriais, infraestrutura, comércio e serviços, no valor de R$ 6,7 bilhões referentes a operações de longo prazo. Segundo Holanda, isso representa cerca de 60% do valor total das operações contratadas.

Informa também que no primeiro semestre de 2017, R$ 4,85 bilhões financiaram o microempreendedor urbano e rural com créditos de curto e longo prazo, por meio dos maiores programas de microcrédito da América Latina - o Crediamigo e o Agroamigo. “Trata-se de instrumentos importantes para redução de desigualdades e constituem porta de saída da pobreza, na medida em que alocam na região Nordeste cerca de 67% do que é investido no Programa Bolsa Família, propiciam inclusão, desenvolvimento social e fazem diferença na vida das pessoas”, explica o presidente do BNB.

O economista e sócio da SM Consultoria Empresarial, Gregório Matias, diz que o crescimento nas operações é um número que indica uma certa melhora na atividade da Região Nordeste, uma vez que representa o aumento de um crédito que, por sua característica, é mais voltado ao investimento.

Recuperação

O presidente Marcos Holanda ressalta ainda que nos seis primeiros meses deste ano, o banco recuperou R$ 2,6 bilhões de créditos descumpridos, valor 237,88% superior ao recuperado no primeiro semestre de 2016. “Foram mais de 100 mil operações regularizadas, a maioria decorrente dos benefícios da Lei 13.340/16, que permite a renegociação de dívidas rurais.

Fonte: Jornal O Povo

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar