Menu
Feliz ano novo

Dia mundial de combate à Aids

Em 1º de dezembro foi comemorado o Dia Mundial de Combate à Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (aids). A data escolhida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na convenção mundial de 1987 é celebrada no Brasil desde o ano seguinte. O objetivo do 1º de dezembro é desmistificar, reafirmar o esforço mundial no combate à doença, fortalecer a necessidade da prevenção, mostrar que o tratamento proporciona uma melhor qualidade de vida e estimular a tolerância social.

Também conhecida como Vírus da imunodeficiência Humana (HIV), a Aids é transmitida por contato sexual desprotegido com pessoa portadora, objetos perfurocortantes compartilhados ou transmissão durante o parto.

A Aids não mata por si só. Por causar um grande impacto no sistema imunológico, o paciente fica sujeito a diversas doenças oportunistas (como a pneumonia) que surgem no organismo nesse momento de fraqueza. Assim sendo, não se morre de Aids, morre-se das complicações geradas pelas doenças oportunistas.

Os primeiros registros da Aids foram descobertos nos Estados Unidos, Haiti e África Central entre 1977 e 1978, mas a classificação da síndrome só aconteceu em 1982, com o s avanços no estudos sobre a síndrome. No Brasil, o primeiro caso diagnosticado foi em São Paulo em 1980.

Ainda hoje, a necessidade de um dia como este é fundamental. Além de chamar atenção para a prevenção até o tratamento, o preconceito também é combatido. Faz-se necessário mostrar à população que não se contrai a Aids por um aperto de mão ou abraço e principalmente que, com o avanço da pesquisas, o diagnóstico não é uma sentença de morte. Com o tratamento é possível viver bem mesmo tendo a doença.

Para a programação do mês, são esperados encontros, caminhadas e palestras para tornar o HIV um tema ainda mais conhecido. O poder Público em todo país realiza ações para teste rápido do vírus e encaminha os diagnosticados para o tratamento. Além disso, monumentos, praças e pontos turísticos ganham a cor vermelha em alusão ao mês, como o Elevador Lacerda e o Farol da Barra em Salvador.

Por Rafael Santos

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar