Menu
Campanha nacional 2018

Em greve, eletricitários pedem a saída do presidente da Eletrobras

Eletricitários de todo o País iniciaram, a partir da zero hora desta segunda-feira (11/6), uma paralisação de 72 horas contra a privatização da Eletrobras e a venda das distribuidoras de energia do grupo, promovidas pelo governo Temer. A categoria defende uma Eletrobras pública, eficiente e para todos os brasileiros.

Ao contrário do que o governo diz, a privatização da Eletrobras trará muitos prejuízos ao país e, mais diretamente, à população, com aumento significativo nas contas de luz. Estudos indicam que esse aumento pode chegar a 30%.

Os eletricitários também querem a imediata saída do atual presidente da Eletrobras, Wilson Pinto Jr., pois ele representa a simbologia da privatização e é o agente direto da política de destruição da empresa.

A Frente Brasil Popular e a Federação Única dos Petroleiros apoiam a greve da categoria, organizada pelo Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE).

Centrais sindicais, entre elas, a CTB, também manifestaram total apoio à paralisação.

"A greve de 72 horas convocada pelas trabalhadoras e trabalhadores eletricitários é uma ação importante dentro da grande batalha que a classe trabalhadora trava hoje no Brasil. Tal como fizeram com o Pré-sal, o projeto entreguista liderado por Michel Temer quer acabar com mais um setor estratégico para o país, setor esse que foi fundamental nos anos de crescimento e ganhos para o nosso povo", disse o presidente da CTB, Adilson Araújo.

De Brasília, Ruth de Souza - Portal CTB (com FNU)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar