Menu
Feebbase

Miséria subiu 33% nos últimos quatro anos: são 6,3 milhões de novos pobres

Estudo do Centro de Políticas Sociais da FGV-Social analisou dados da PNAD relativos aos últimos quatros anos (de 2014 ao segundo trimestre de 2018) e acaba de lançar o levantamento "Qual foi o impacto da crise sobre a pobreza e a distribuição de renda?".

O resultado confirma os indicativos que pesquisas nacionais e internacionais já haviam consolidado, mas apresenta dados novos, como os resultados do índice Gini no período, que revelaram um expressivo aumento na concentração de renda.

O mais interessante deste estudo é o fato de abarcar exatamente a fase em que o país vivenciou toda a articulação do golpe contra Dilma Rousseff, o seu afastamento e a instalação do governo golpista e das medidas econômicas neoliberais, com drásticos cortes sociais e a instituição da reforma trabalhista, ampliando desemprego e o trabalho precarizado.

De acordo com o estudo, desde 1989 o Brasil não experimentava mais de três anos de aumento consecutivo de desigualdade. A piora na performance social do Brasil também explica o mau desempenho econômico, já que o aumento da miséria impõe queda no consumo e desaquecimento da economia.

Do final de 2014 até junho deste ano, o Índice de Gini subiu a uma velocidade 50% maior do que vinha caindo na época de queda da desigualdade brasileira, iniciada em 2001. Perfazendo quase quatro anos consecutivos de aumento de concentração de renda.

O levantamento da FGV-Social indica aumento da pobreza e da desigualdade até o segundo trimestre de 2018. Há hoje 23,3 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza, com rendimentos abaixo de R$ 232 por mês; cerca de 11,2% da população.

A miséria subiu 33% nos últimos quatro anos. São 6,3 milhões de novos pobres — mais do que a população do Paraguai – adicionada ao estoque de pobreza.

Do final de 2014 até junho deste ano, o Índice de Gini subiu a uma velocidade 50% maior do que vinha caindo na época de queda da desigualdade brasileira, iniciada em 2001. Perfazendo quase quatro anos consecutivos de aumento de concentração de renda. Isso não acontecia desde a derrocada do Plano Cruzado de 1986 até 1989, o recorde de desigualdade nas séries brasileiras.

Segundo Marcelo Neri, diretor do FGV Social e coordenador do levantamento, a nova Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) revelou uma grande queda de renda per capita média do trabalho desde o ápice no final de 2014 até meados de 2016 quando voltou-se aos níveis de 2012. De lá para cá, recuperou-se 40% desta perda média.

Já o bem-estar social caiu 10,6% desde 2014 até meados de 2016, regredindo a patamar similar ao de 2012. No entanto, diferentemente da renda per capita média, o bem-estar manteve-se nestes níveis desde então. Isso quer dizer que, em termos bem-estar geral da nação, não se pode falar em recuperação, mesmo que tímida. Essa aparente contradição ocorreu, pois o avanço conquistado pela renda média foi neutralizado pela alta da desigualdade.

A miséria subiu 33% nos últimos quatro anos. São 6,3 milhões de novos pobres — mais do que a população do Paraguai

A PNAD mostrou perda de renda de 7% em 2015. Já a nova PNAD Contínua revelou queda de renda individual do trabalho, não ficando restrita somente aos ocupados. Entre 2015 e 2018, a renda média caiu 3,44%. Esta perda foi mais forte entre os jovens (-20,1% entre 15 e 19 anos e -13,94% entre 20 e 24 anos), entre pessoas com ensino médio incompleto(-11,65%), entre os responsáveis dos domicílios (-10,38%) e regiões Norte (-6.08%) e Nordeste (-6.43%).

Portal CTB com FGV Social

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar