Menu
Redes sociais Feebbase
-->

Redução das desigualdades é essencial para erradicar aids até 2030, diz ONU

O presidente da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) na reunião realizada no Dia Mundial de Combate à Aids, Abdulla Shahid, ressaltou a necessidade urgente de acabar com as desigualdades que impulsionam não só a doença causada pelo vírus HIV, mas também outras pandemias, como a da covid-19, em todo o mundo. Sem uma ação ousada contra as desigualdades, o mundo corre o risco de não cumprir as metas para erradicar a aids até 2030.

“Devemos reforçar a cooperação internacional e a solidariedade na luta contra o HIV, contra a covid-19 e em qualquer questão de saúde pública que proteja nosso povo”, disse ele.

A reunião acontece duas décadas após o marco da Sessão Especial da Assembleia Geral sobre a doença, que foi a primeira sobre uma questão de saúde realizada pela entidade. Desde então, a doença conta com tratamentos eficientes, no entanto, nem sempre acessíveis a todos.

“Este encontro é uma oportunidade para discutir como a experiência de luta contra o HIV/Aids pode informar e orientar respostas eficazes, sensíveis aos direitos humanos e centradas nas pessoas a doenças infecciosas, como a covid-19”, disse Shahid. “Temos a responsabilidade de agir.”
Aids, ainda uma pandemia

A chefe do programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids), Winnie Byanyima, emitiu um aviso em sua mensagem virtual de que a aids continua sendo uma pandemia. “A luz vermelha está piscando e apenas movendo-se rapidamente para acabar com as desigualdades que impulsionam a pandemia podemos superá-la”, pontuou.

Byanyima observou que, em meio à crise do covid-19, o progresso no combate à disseminação do HIV está sob tensão ainda maior, com interrupção de serviços de prevenção e tratamento, educação, programas de prevenção à violência, entre outros. “Em nossa trajetória atual, não estamos dobrando a curva rápido o suficiente e arriscamos ter uma pandemia de Aids que dure décadas”, advertiu.
Ao abordar as desigualdades que retêm o progresso no combate à doença, ela afirmou que “podemos cumprir a promessa de acabar com a aids até 2030”. “Está em nossas mãos”, disse ela.

A diretora e representante do Unaids no Brasil, Claudia Velasquez, apontou em artigo publicado hoje as ameaças às conquistas obtidas nos últimos anos na luta contra a doença. “Com a covid-19, os ganhos que conquistamos para acabar com a AIDS correm o risco de serem perdidos. Não por falta de conhecimento ou de ferramentas para acabar com a AIDS, mas por causa das desigualdades estruturais, que são potencializadas pelo estigma e discriminação e limitam o acesso a soluções comprovadas para a prevenção e tratamento do HIV”, escreveu.

Fonte: Rede Brasil Atual

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar