Menu
Chamada whatsapp

Trabalhador e Trabalhadora de segunda classe? Não!

Esse mês de agosto não só inicia um processo eleitoral histórico para o Brasil, ele descortina um cenário de disputa que cobra da classe trabalhadora não só reforço da resistência e luta, ele exige de nós ciência do posicionamento nosso nesta disputa, esclarecimento objetivo e subjetivo de qual papel cumprimos neste processo.

Não deveria ser, mas foi - como sempre disse minha mãe - um choque ler o programa de governo do candidato à presidência Jair Bolsonaro. E, ficou pior, quando cheguei no ponto onde se lê sobre a criação de uma nova carteira de trabalho. ”Criaremos uma nova carteira de trabalho verde e amarela, voluntária, para novos trabalhadores.”

E o que Bolsonaro oferece a que chamou de “trabalhadores de segunda classe”? A privação da proteção à saúde e à segurança, por exemplo. Ou seja, não bastasse a reforma trabalhista que abre espaço para uma precarização sem limites, o candidato do PSL oferece à classe trabalhadora um futuro sem direitos e sem sonhos de uma vida melhor.

Sob a retórica da liberdade, autonomia e a livre competitividade, categorias que são apresentadas em seu programa como expressão do que há de mais moderno, a proposta é mais uma lança nas mãos de quem segura o chicote e colabora para anuviar a dinâmica brutal e que ganha uma versão ainda mais brutal nesta etapa de reestruturação do capitalismo global.

A tal liberdade e autonomia pregada por Bolsonaro na verdade esconde os altos índices de precarização, os vergonhosos números de mortes no trabalho, as doenças e os suicídios tão comuns nos dias de hoje.

À classe trabalhadora fica o desafio objetivo e subjetivo de enfrentar essa disputa que extrapola sua influência, retira direitos e remodela conceitos históricos no mundo do trabalho.

joanne mota 41acc Joanne Mota é jornalista e assessora da CTB Nacional.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar